::::::::::::::::::::Eduardo Aroso
INÊS DE PERTO E DE LONGE

A hora vespertina da penumbra
Inicia a viagem interior
Onde já tudo se apaga:
Jardins, musgos e fontes.
A terra prometida
Vem pela manhã,
No mel claro ou rosto
Que amacia os horizontes.

Arrefece ainda nas pedras,
Cicatrizes de presença.
Mas neste deserto diário
Há o oásis no outro lado.
Turva-se a memória
No caminho ébrio,
Cruzado do destino
Do ter ou do viver.
Fino gume tem o instinto
De mais alvorecer.
Na luz modulante da lua
Os anjos corrigem a noite.

 
Coimbra, 10-1-06
Eduardo Aroso (à margem das comemorações oficiais)
 

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano