Procurar textos
 
 

 

 

 






O NATURAL EM LIVROS DE CORDEL
Estela Guedes
TriploV.
             Centro Interdisciplinar de Ciência, Tecnologia e Sociedade da
             Universidade de Lisboa (CICTSUL)
 















Natureza e Cultura
Col. Saberes, Fazeres, nº 1
Lisboa, Apenas Livros, 2004

 

Agradeço a Ana Luísa Janeira e à editora Apenas Livros o convite para apresentar a colecção "Saberes, Fazeres", cujo primeiro número traz por título: "Natureza e Cultura" (1).

Sinto-me satisfeita por várias razões. A primeira é a de existir uma grande proximidade de ideias entre projectos de Ana Luísa Janeira como este e o meu próprio tema de investigação, o texto dos naturalistas e os seus códigos. Já participei em várias iniciativas de Ana Luísa Janeira, pois ambas somos investigadoras do CICTSUL, instituição fundada e dirigida por ela em vários mandatos, com o nome por extenso de Centro Interdisciplinar de Ciência, Tecnologia e Sociedade da Universidade de Lisboa. Outro motivo de contentamento é o de estar aqui na qualidade de directora do TriploV, um site que nos liga à Universidade de Évora, onde dão aulas vários colaboradores. De facto, alguns ensaios publicados em "Natureza e Cultura" estão em linha no directório relativo a um colóquio virtual cujo tema é uma pergunta à qual podia responder hoje, se soubesse, mas não sei: "Natural?! O que é isso?"

Além das participações no colóquio, o TriploV tem recebido mais colaborações do meio universitário de Évora, pelo que é triplamente gratificante a minha vinda a esta lindíssima cidade branca, a "Sempre noiva", como lhe chama Luís Carmelo, no romance em que fez dela a personagem principal.

Quanto à Apenas Livros, duas palavras quero dizer, por se tratar de um projecto muito singular, situado fora do circuito dos poderes económicos e por isso das ideias pronto-a-vestir. Não é uma editora académica, ou talvez sim, se por academia entendermos as antigas universidades, como a Sorbonne frequentada por Rabelais, ou a de Coimbra, no tempo em que nela começou a gerar-se uma obra colectiva que a Apenas Livros podia reeditar, O Palito Métrico, ou Macarrónea Latino-Portuguesa. O académico só se torna pejorativo quando cristalizado em Dantas, e então, sim, concordemos com Almada Negreiros, "Morra o Dantas, morra, pim!" Há outros momentos em que a universidade é alfobre de inovação, em que as suas ideias generosas determinam o curso dos acontecimentos sociais e políticos, e não o inverso. Esperemos que a situação mude, e que a Apenas Livros seja indício de mudança. De similar a ela, ocorrem-me à lembrança a editora Contraponto, de Luiz Pacheco, um escritor situado no perímetro do Surrealismo, e também a &Etc., com vocação transgressora idêntica. Refiro-me à capacidade subversiva da própria editora, ao lançar obras que o consenso ainda não domesticou, de forma a considerá-las elementos naturais da cultura. O sexo, por exemplo. Será o sexo um elemento natural da cultura? Ou, pelo contrário, nada de mais cultural do que ele?

Apenas Livros é uma editora cujo saber também a levou a recuperar um modo tradicional de fazer livros - os de cordel. No seu tempo, eram livros baratos, porque feitos com materiais de qualidade inferior. A sua principal característica é o cordel a segurar as folhas, pelo qual se penduravam na rua e nas feiras. Se ao cordel de outrora poderíamos chamar natural, por ser original, a esta recuperação da Apenas Livros só cabe o nome de artificial, isto é, própria da arte. E como é arte, fica mais claro o posicionamento à margem dos poderes económicos, e a ampliação a temas, épocas e géneros tão diversos que vão de um extremo ao outro: da poesia lírica à literatura fescenina. Porque se apoia  na arte, o livro de cordel deixa agora de pertencer à ordem do popular, para se tornar sofisticado, aristocrata, nativo da ordem cultural.

A obra que agora se lança é o primeiro número da colecção "Fazeres, Saberes", coordenada por Ana Luísa Janeira. Contém os ensaios: "A cultura popular entre magia e ciência", de Maria Johanna Christina Krom, "A ciência moderna e o interesse pelo natural", de Mariana Valente, "O espaço e o tempo nos fazeres tradicionais", de Ana Luísa Janeira, "A natura e a cultura da água", de Maria Helena Novais e "O homem e a natureza na era da globalização", de Alexandra Soveral Dias. As autoras são simultaneamente dinamizadoras da colecção, e algumas ligam-se pela profissão às actividades para a protecção da Natureza.

Professora de Filosofia na Faculdade de Ciências de Lisboa, Ana Luísa Janeira interessa-se há muitos anos por aquilo que consubstancia em fazeres os saberes da História Natural, com os seus exploradores e naturalistas: fazeres são as viagens de exploração, as colecções, os gabinetes de curiosidades, os museus, os jardins botânicos, os laboratórios, as preparações, as culturas em estufa, as exposições, as escritas e os discursos, etc.. Os saberes, neste campo, partem em geral das universidades, e com os fazeres a elas retornam e nelas residem. Alguns abrem em leque para o público profano, consumidor de ciência, como têm sido mais óbvias, entre nós, as grandes exposições de dinossauros, que levam ao Museu de História Natural um número de pessoas muito grande.

Outras exposições têm procurado mostrar como faz ciência a própria ciência, em que consiste a ciência, ou em que realidade se apoia. Foi o caso de "CulturaNatura", exposição idealizada por Ana Luísa Janeira, que teve lugar em 1999-2000 no Museu Nacional de História Natural da Universidade de Lisboa, e noutras cidades de Portugal e Brasil.

A necessidade de os humanos passarem a manter relações mais harmoniosas com a Natureza, que sirvam para travar a progressiva destruição do planeta, é uma preocupação das autoras no primeiro número desta colecção. Ora uma forma de travar o desgaste e estabelecer relações menos agressivas com o meio é recuperar os saberes tradicionais, quando isso ainda é possível. Como é previsível, esta estratégia, ao afastar-se da dominante, corre o risco de ser marginal.

Com a colecção "Fazeres, Saberes", o objectivo sai assim do campus universitário para o das artes tradicionais. Há diferenças entre o saber académico e o saber popular: não haverá objecções ao termo "sabedoria" para caracterizar o modo como o popular interage com a Natureza; o popular, detendo a sabedoria de como cultivar uma vinha, pode nem ter conhecimento do que é a Vitis vinifera. Os conhecimentos, cada vez mais parcelares, são próprios da ciência. A sabedoria é própria de outras áreas, que incluem a magia, a religião, os grandes movimentos de religação da parcela ao todo. Destas diferenças fala Christina Krom no primeiro texto, ao apresentar os caracteres que dividem duas classes sociais, a do artista e a do artesão: de um lado temos o científico, o desenvolvido, o erudito; do outro, o mágico, o popular e o ingénuo.

Como lemos na contracapa, com a colecção "Saberes, Fazeres" pretende-se "recolher testemunhos e histórias de vida sobre a prática dos saberes [...]", num projecto que se insere "no âmbito da relação do Homem com a Natureza".

Parece fácil dominar os dois conceitos, natureza e cultura. Parece fácil olhar à roda e classificar as roupas que vestimos como objectos de cultura e os corpos que as envergam como objectos naturais. Será assim tão fácil? É verdade que os nossos corpos, como as flores e as árvores dos jardins, pertencem à Natureza, e que os livros, os quadros, os conceitos, pertencem à Cultura?

No interior das próprias ciências naturais é possível distinguir correntes de pensamento contraditórias. Tudo o que enumerei - corpos humanos, árvores, livros e jardins - pertence à esfera da cultura e não da natureza. Um dos significados de "natural" é nascido, nativo. Em consequência, a ciência só considera naturais, na flora e fauna portuguesas, por exemplo, as plantas e animais indígenas. As espécies exóticas, como palmeiras, periquitos, e mais quase tudo o que é verde e a maior parte do que comemos ou que aproveitamos por nos dar produtos úteis, isso tudo é considerado artificial. Por natural entendem os naturalistas, desde pelo menos os livros de Darwin, a população em cujo devir não existiu participação humana. Naturais são as espécies cuja selecção se deve ao acaso. Ora as espécies vegetais e animais de que o nosso saber se serve para fazer, resultam de laboriosa selecção e aperfeiçoamento efectuados pelo homem.

Nesta perspectiva, é difícil calcular o que possa existir ainda na Terra, virgem da acção do homem. Alexandra Soveral Dias cita Moscovici, que em 1972 afirmava que a "natureza, entendida como um ambiente intocado pela acção humana, não existe".

Não há nada de natural à face da Terra? Porém os cientistas que defendem que o impacto do homem sobre a Terra é tão grande que já não existe Natureza, são os mesmos que nos respondem, quando lhes pomos o problema das espécies introduzidas e hibridadas, que tudo o que existe é natural. Tudo o que existe é natural, incluído o homem, um animal como os demais, e tudo o que o homem faz - livros, sapatos, repovoamento de rios, florestação de peladinhas - tudo isto é natural, por ser uma extensão, um braço de seres naturais, os homens. E um dia, quando o planeta exalar o último suspiro, vencido pela agricultura, pela suinicultura, pelas poluições - no ar, na terra, no mar -, para não falar do armamento nuclear, etc., essa morte será natural, porque resultado da nossa natural interacção com o planeta.

Deixando o discurso científico de lado, de que falam os sentimentos? De nostalgia. É isso o que fica a latejar na memória, depois da leitura de "Natureza e Cultura". Temos saudades do campo, da praia, da floresta, de uma Natureza com maiúscula, impoluta, Magna Mater. Os cientistas já não se ocupam dela, o natural, para os naturalistas, é uma convenção, o que eles estudam é o próprio paradigma científico. Mas a Natureza com maiúscula existe, é essa nostalgia do paraíso perdido, um mito criado, como todos os outros, pelo nosso imaginário. Por isso Edgar Morin, no primeiro volume de "La Méthode", que trata da natureza da natureza, garante que a ciência a devolveu aos poetas.

Deixemos a ciência em paz e atentemos em cidades como a "Sempre noiva": vivemos todos na mesma casa, não podemos excluir inquilinos por não serem nativos, ou por não terem a cor de pele aprovada, ou por não rezarem ao deus da classe dominante. Vivemos todos na mesma casa, temos de cuidar  de nós e dela, não há qualquer desculpa na destruição da Terra.

 
(1) Apresentação em Évora, na Livraria Som das Letras, 25 de Fevereiro de 2005.
   
   

 

 

 


hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano