::::::::::::::::::::::::::::::::ADELTO GONÇALVES
Mendoza e a revolução falhada

MAURICIO O LAS ELECCIONES PRIMARIAS, de Eduardo Mendoza. Barcelona: Editorial Seix-Barral, 2006, 365p., 19 euros. E-mail: editorial@seix-barral.es

I

Em junho de 1983, seis meses antes de retornar a Barcelona, o escritor catalão Eduardo Mendoza (1943), então tradutor oficial da Organização das Nações Unidas desde 1972, foi requisitado nada menos pelo presidente do governo espanhol, Felipe González (1942), para que o assistisse durante viagem que faria aos Estados Unidos para se encontrar com o presidente Ronald Reagan (1911-2004).

Até então, o governo espanhol não dispunha de um corpo oficial de intérpretes, até porque, durante a ditadura, o general Francisco Franco (1892-1975) só havia saído da Espanha para se encontrar com o professor António de Oliveira Salazar (1889-1970), o ditador português. E raramente havia necessitado de intérpretes.

González, estrela do socialismo em ascensão, obviamente, tinha outras pretensões. E ainda passara maus bocados na Polônia, depois que um tradutor trapalhão lhe criara um incidente diplomático. Além disso, González trazia uma certa aura socialista e revolucionária – que o tempo haveria de se encarregar de desvanecer – e precisava muito mostrar ao antigo ator de Hollywood e à elite empresarial norte-americana que o novo governo espanhol estava formado por gente civilizada e sensata que não estava disposta a levantar obstáculos no caminho do capitalismo. Garantir, enfim, que o fantasma de uma Europa vermelha não se agitava no horizonte daquele fim de século, apesar de François Mitterrand na França, Mário Soares em Portugal e Bettino Craxi a ponto de se tornar primeiro-ministro italiano.

O que os dois líderes discutiram tête-à-tête no Salão Oval da Casa Branca só se vai saber quando os arquivos do governo norte-americano daqueles anos forem abertos ao público. Até porque o próprio tradutor/intérprete, embora hoje afastado do ofício, faz questão de manter o sigilo profissional. Mas a verdade é que aqueles anos de incerteza para o mundo capitalista – em que os regimes comunistas do Leste Europeu ainda pareciam propensos a uma vida longa – acabaram por dar a Mendoza o tema de um novo romance, Mauricio o las elecciones primarias, lançado em março de 2006. É o que se pode ler em Mundo Mendoza (Barcelona, Seix-Barral, 2006), de Llàtzer Moix, largo perfil biográfico do romancista catalão.

II

Pela primeira vez em sua já extensa obra – que reúne mais oito romances, um ensaio, dois guias de cidades, folhetins para a imprensa, peças de teatro, contos e traduções –, Mendoza trata da Barcelona posterior à transição democrática, no período que vai das segundas eleições autonômicas que foram vencidas por Jordi Pujol (1930) até a designação da cidade como sede olímpica. Como se sabe, Pujol, preso político durante o regime franquista, representante da alta burguesia catalã, foi presidente da Generalitat de Catalunha de 1980 a 2003.

À frente desse pano-de-fundo, movimentam-se alguns personagens numa Barcelona que se renova e inventa, especialmente, para mostrar a Espanha que poderia ser tão pujante quanto Madrid. E que quer aproveitar os Jogos Olímpicos de 1992 para mostrar-se também para o mundo como uma cidade moderna.

O dentista Maurício, depois de viver anos em Madrid e na Alemanha, regressa a essa Barcelona e passa a trabalhar numa clínica. Longe de sua profissão, é um cidadão dotado de alguns ideais, mas alguém que carece de paixão para colocá-los em prática. Um encontro casual com um antigo colega de escola, Fontán, de família abonada, acabará por lhe oferecer oportunidade de uma carreira na política.

Num encontro social promovido por Fontán em seu espaçoso apartamento, Mauricio conhece Clotilde, advogada em início de carreira, que teve de se valer da indicação de um tio para garantir uma colocação no escritório do experiente advogado Macabrós. Como ganha mal, não réune condições financeiras para deixar a casa dos pais.

Outra mulher que atrai o interesse de Mauricio é igualmente atraente, de porte atlético, de idade um pouco mais avançada e um passado um tanto nebuloso. Com ela, quando passa a participar de comícios e encontros políticos, Mauricio acaba por ter o que imaginava ser uma aventura passageira.

Adela era mais conhecida como Porritos, nome-de-guerra que teria utilizado ao tempo da clandestinidade, à época em que Espanha vivia mergulhada sob a ditadura do general Franco. Procedente de una família pobre originaria da região da Extremadura, Porritos vai para Barcelona com o objetivo de vencer na vida como cantora, além de participar da luta clandestina, talvez imaginando uma carreira semelhante à de Evita Perón – por sinal, no começo da década de 1980, fazia muito sucesso em Madrid o musical inglês Evita. De estilo hippie, Porritos deixa-se, porém, envolver-se por falsas amizades e cai no mundo das drogas.

Quando conhece Mauricio vivia dias de desemprego e morava no subúrbio barcelonês de Santa Coloma de Gramanet, num apartamento apertado e em constante desmazelo. Já havia superado a difícil travessia das drogas, graças à ajuda de Mosén Serapio, um guitarrista que passa a acompanhá-la em encontros promovidos pelo Partido Socialista, “um tipo de mau aspecto, mal encarado, alto, magro, de rosto verdoso, marcado, olhos fundos, nariz afilado e orelhas de abano e transparentes. Em conjunto parecia um enfermo grave e também um depravado”, na descrição de Mendoza.

Com esses e outros personagens menos relevantes, o autor constrói uma lúcida reflexão sobre a condição humana, pois Porritos acaba enferma pelo vírus da Aids (Sida) e tem um fim breve e trágico, enquanto Mauricio, embora tenha travado relações sexuais com a mulher infectada, escapa ileso do “mal do século”. Consegue o perdão de Clotilde pela traição, mas não desampara Porritos, mantendo-se solidário até o final.

III

Embora não seja livro que se equipare aos melhores da obra mendocina – La verdad sobre el caso Savolta (1975) e La ciudad de los prodigios (1986) –, Mauricio o las elecciones primarias é um romance que seduz pelos vívidos diálogos que o seu autor constrói. E também porque constitui um balanço moral de uma época-chave para o estágio de desenvolvimento da sociedade espanhola de hoje, com uma pujança econômica que a faz avançar não só sobre o vizinho Portugal – comprando cada vez mais terras, empresas e mais empresas – como aproveitar as oportunidades que o gigantesco mercado brasileiro oferece.

É, portanto, um livro sobre a geração de 1968, não a de Woodstock, da fase paz e amor, mas daquela que sonhava fazer a revolução, ainda que nem todos tivessem coragem de carregar debaixo do braço um fuzil ou uma metralhadora e assaltar bancos para expropriar o dinheiro da burguesia em favor da pretensa causa dos oprimidos.

É, enfim, para repetir em chave um poema de Manuel Bandeira (1886-1968), um romance que conta um pouco da vida que poderia ter sido – e não foi –, se a revolução tivesse triunfado. É claro que, hoje, sabendo quem são – ou quem foram – alguns daqueles que se pretendiam à frente da revolução, com o fracasso daqueles ideais, parece que o mundo se livrou foi mesmo de tipos desprezíveis e sanguinários como Fidel Castro Ruz (1926). Ainda bem.

Embora não tenha recebido uma acolhida unânime da crítica e de leitores em Espanha, Mauricio o las elecciones primarias rendeu a Eduardo Mendoza a sexta edição do Prêmio Fundação José Manuel Lara, uma dotação de 150 mil euros criada por doze editoras para a escolha do melhor romance escrito em castelhano de 2007.

Adelto Gonçalves é doutor em Literatura Portuguesa pela Universidade de São Paulo e autor de Gonzaga, um Poeta do Iluminismo (Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1999), Barcelona Brasileira (Lisboa, Nova Arrancada, 1999; São Paulo, Publisher Brasil, 2002) e Bocage - o Perfil Perdido (Lisboa, Caminho, 2003). E-mail: adelto@unisanta.br
 
 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano