JOSÉ SARAMAGO

NA MORTE DE JOSÉ SARAMAGO (18.06.2010) - INDEX

Um lutador solitário

O que mais aprecio em José Saramago, do lado da literatura, é a sua capacidade metamórfica: ele tanto escreve romances colossais, embrenhados em si mesmos, difíceis de seguir na sua minúcia histórica, como se abre aos leitores ingénuos numa escrita larga e despretensiosa, facílima de acompanhar até pelos mentalmente mais preguiçosos; ele ora escreve ensaio, ora teatro ora romance. A poesia, menor talvez dos seus feitos curriculares, foi a primeira literatura de José Saramago que conheci, ainda estudante na Faculdade de Letras de Lisboa. José Saramago, Ruy Belo, Herberto Helder, Carlos de Oliveira, Eugénio de Andrade, António Ramos Rosa, eram poetas que eu alinhava uns ao lado dos outros na mesma prateleira.

A sua têmpera é sempre a mesma, mas a personalidade varia consoante a necessidade da obra vertente. Nada daquela monotonia, mono-tonia, o único tom de grandes escritores a quem essa pobreza escamoteamos sob o rótulo de "estilo".

Poucos escritores são dotados desta flexibilidade que ultrapassa a do polígrafo. Poderá haver escritas mais encantatórias do que as dele, ah, sim, lembremos Agustina Bessa-Luís!, mas são mono-escrita, geradora de livros únicos, no sentido de tais autores escreverem sempre o mesmo livro. Saramago não é autor de uma obra única, ele deu à estampa dezenas de obras absolutamente singulares e distintas umas das outras. Toda aquela diferença que levou Fernando Pessoa a gabar-se de ter escrito uma biblioteca.

Do lado da pessoa que foi, e eu mal conheci - lembro-me apenas dos seus olhos curiosos, fortemente concentrados em mim, de uma vez em que nos encontrámos na Associação Portuguesa de Escritores, na Rua de S. Domingos à Lapa, em Lisboa - do lado da pessoa, repito, admirei e admiro ainda a capacidade de luta, a coragem de dizer as verdades mais chãs, que todos sabemos de cor mas calamos por medo, por comodismo, e com isso conseguir o prodígio de gerar polémicas até à beira do caixão, aos 86 ou 87 anos! Ainda no ano passado Saramago era atacado por se ter atrevido a dizer em voz alta o que todos estamos fartos de saber mas fingimos que não, e obriga-se um homem daquela idade a pedir desculpa por ter mandado à merda ou coisa assim, senhores, não são os Papas quem pede desculpa por crimes bem odiosos e nauseabundos? Metamos a mão bem dentro das tripas e sejamos honestos: quem, desse lado ou do outro, merece mais credibilidade?

E o que mais me confrange no perímetro da ação desencadeada por José Saramago é a facilidade com que todos falam dele, dizendo mal ou bem, tanto faz, sem nunca terem entrado numa livraria para comprarem um dos seus livros. Sem nunca o terem lido.

Maria Estela Guedes

José Saramago nasceu na aldeia ribatejana de Azinhaga, concelho de Golegã, no dia 16 de Novembro de 1922, embora o registo oficial mencione o dia 18. Seus pais emigraram para Lisboa quando ele ainda não perfizera três anos de idade. Toda a sua vida tem decorrido na capital, embora até ao princípio da idade madura tivessem sido numerosas e às vezes prolongadas as suas estadas na aldeia natal. Fez estudos secundários (liceal e técnico) que não pôde continuar por dificuldades económicas.

No seu primeiro emprego foi serralheiro mecânico, tendo depois exercido diversas outras profissões, a saber: desenhador, funcionário da saúde e da previdência social, editor, tradutor, jornalista. Publicou o seu primeiro livro, um romance ("Terra do Pecado"), em 1947, tendo estado depois sem publicar até 1966. Trabalhou durante doze anos numa editora, onde exerceu funções de direcção literária e de produção. Colaborou como crítico literário na Revista "Seara Nova".

Em 1972 e 1973 fez parte da redacção do Jornal "Diário de Lisboa" onde foi comentador político, tendo também coordenado, durante alguns meses, o suplemento cultural daquele vespertino. Pertenceu à primeira Direcção da Associação Portuguesa de Escritores. Entre Abril e Novembro de 1975 foi director-adjunto do "Diário de Notícias". Desde 1976 vive exclusivamente do seu trabalho literário.

Prémio Nobel da Literatura, 1998

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano