NICOLAU SAIÃO
Os verbos irregulares (5)

   O Juízo do ano (diálogos entre a Tia Brízida e o Seringador)

Introdução

O trecho que agora se dá a lume, o primeiro diálogo que se conhece das duas imortais figuras  tornadas célebres no “Almanaque o Seringador”,  foi descoberto quase por acaso numa velha biblioteca pelo Dr. Pitta Raposo, que dispensa apresentações: com efeito, pela mão de Ruy Ventura e de outros dois fabianos, o famoso estoriador – um émulo do Prof. Teodoro Rabejana, o melhor especialista português em Estoriografia Sustenida, publicou no suplemento FANAL textos fundamentais a mais dum título e que todos mais ou menos conhecerão.

Abreviando: Pitta Raposo, já depois de abandonar o cargo de catedrático de Alentejanismo Espiritual, que regeu com insuperável mestria na Universidade da Avenida de Ceuta, votou-se à investigação quase arqueológica, nomeadamente nas vetustas salas de gente ilustre que faz o favor de lhe franquear os inóspitos solares.

Eis a primeira das suas descobertas, que aqui largamos para deleite do leitor.

TIA BRÍZIDA – Ora bons olhos o vejam,  meu caro Seringador. Então o que traz para me contar?

SERINGADOR – Coisas bonitas, Tia Brízida, coisas amáveis. Então já sabe que o nosso país continua a ser a menina dos olhos dos estrangeiros que nos visitam? No dizer de alguém é um exemplo para todos os europeus, incluindo o Mugabe, que têm uma visão sagaz do mundo moderno!

TIA BRÍZIDA – Já ouvira dizer, sim senhor, já cá me chegara. Muito se tem falado no facto, único no mundo, em que as crianças, sejam elas de 11 ou de 23 anos, caso se mantenham em funções nessa idade, podem frequentar a Escola sem temerem o traumatismo de chumbarem. E isso devido ao sentido humanista e compreensivo de uma senhora que por aí está ministra...

SERINGADOR – Desculpe se a corrijo, Tia Brízida. Deverá dizer antes: graças ao senhor que aí está como, assim a modos que, Caudilho salvo seja. Um homem proficiente que, depois de ter sido “animal feroz da política”, como disse um pensador de primeira, soube a seguir transmutar-se numa espécie de “anjo guardião” dos moleques populares. Que a seguir lhe irão dar o votinho, mas isso são outras voltas. E, Brízida, diga-me: já ouviu falar que os jovens verão aumentada de 30 para 50 anos a possibilidade de liquidarem a continha do empréstimo para comprar casa?

TIA BRÍZIDA – Não me diga! Ai, que é uma medida de grande alcance, sim senhor. Já viu o descanso que é um rapazola de 25 anos e uma moçoila de 28, ao entrarem nos setentas e muitos, verem a sua continha calada finalmente raspada? A que, bondosamente, diria, os acompanhou toda a vida de casados? É de se sentir uma certa nostalgia!

SERINGADOR – Faço idéia... E que me diz a nossa Brízida à atitude, de grande visão patriótica, do senhor Presidente da coisa pública ao queixar-se docemente, no discurso abrilongo, de que os jovens têm uma memória de passarinho, não sabem quem é este cavalheiro da Nação, aquele acontecimento, aqueloutra data fundacional?...

TIA BRÍZIDA – Olhe, só me ocorre dizer que esse salvador me parece ter também pouca memória. Já se terá esquecido das parlendas com que nos encheu outrora as orelhas, em que falava a granel no país de sucesso e noutros centros de Belém? Olhe, leia um artigote do Cardeal Pulido Valente na folha-de-couve de qualidade onde ele escreve e não terá dúvidas nenhumas...

SERINGADOR – Os exercícios de memória podem ser cruéis...Lá nisso tem a Tia Brízida razão...Mas vamos a outra: que me diz desta telenovela mais actual que a nossa TV nos anda a fornecer para nosso gáudio?

TIA BRÍZIDA – A “Gabriela cravo e canela”?

SERINGADOR – Ó Brízida, deixe-se de piadinhas... Refiro-me, como é óbvio, à “Manuela y sus muchachos”, que segundo me disse um sobrinho meu está a fazer grande êxito nos écrans de lares,  tascas e até nuns lugares estranhos onde se reunem, parece, os políticos do Reyno para fazer as suas serenatas.

TIA BRÍZIDA – Ah, essa! Digo-lhe que tem grandes intérpretes – aquele Santana enche-me as medidas!! - e o argumento também não está nada mau... Há golpes de teatro súbitos, aliás já esperados por todos, que mantêm o auditório a salivar. Ele é uns que entram e uns que saiem, outros que  juram pela pele a este, ao outro. Um forrobodó, que diz bem a que pontos de qualidade chegou o telenovelismo nacional...

SERINGADOR – E o Alberto? Como se tem portado o Alberto?

TIA BRÍZIDA – Ao seu nível habitual, não se preocupe. Mas, embora haja outros muito talentosos, o melhor tem sido um Coelho, um galã cheio de sofisticação e que veio do estrangeiro para fazer a fita. Atira uns olhares tão devastadores, enquanto diz o seu papel, que de certezinha já “tombou” por aí uma dúzias de moças romanticas sempre de espreita aos moços tafuis. E a Manuela também tem actuado bem, embora já esteja um pouco como a Meryl Streep: ligeiramente passada. Mas é um papel de respeito, uma espécie de mãe salvadora do elenco!

SERINGADOR – Pois muito me conta. E que outras novidades há por aí que valha a pena saber?

TIA BRÍGIDA – Talvez literaturas. Letras, artes, economia, finanças, futebóis a fartar...

SERINGADOR – (com um estremecimento indisfarçável) Safa, Brízida, safa! Como dizia o Outro, co'abreca. Não me venha com esses temas, que fico todo a tremer! Até pr'ó ano, minha amiga!

(E os dois compadres, com um riso entre o nervoso e o escarninho, separam-se com o proverbial abraço).

ns

 

 

 

 


hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano