NICOLAU SAIÃO

O REPOUSO DO JAGODES
(Jagodes’ lay off)

“EM PORTUGAL É MUITO FÁCIL VIRAR A CASACA” – declarou ao nosso director o famoso Autor, em férias, de “O diálogo com os abstémios”, Doutor José Jagodes, numa entrevista chocante que um imprevisto contratempo quase logrou impedir viesse a público.                 (Pelo nosso grande-repórter Maurice Duval)

   Quando entrei no bar do Hotel onde decorrera a entrevista, para recolher o gravador e as diskettes, o ambiente era carregado.

   Jason Peeplewebb, o director do “World New News” que em rigoroso exclusivo conseguira a sensacional “caixa” com o grande pensador, tinha na face um ricto marcado, parecendo-se cada vez mais com o Jason Robbards. Por seu turno, o Doutor Jagodes mordia as pontas do bigode – o que não augura nunca nada de bom. A seu lado, sobre a mesinha de tampo de vidro, uma garrafa de “Old Glock” de 16 anos aguardava serenamente, já meio cheia ou meio vazia, conforme à célebre proposição filosófica.

   Resolvi sensatamente não lhes dirigir qualquer pergunta. O que fosse soaria…  

  Chamando discretamente de lado um dos criados de mesa, a quem coloquei na destra uma pápula de 5 dólares, levantei um dos sobrolhos interrogativamente e ele descoseu-se logo. “Foi um rato-de-hotel de cara patibular com uma barba cerrada onde se salientava uma larga mancha branca, que apanhando os dois interlocutores distraídos lhes empalmou as diskettes e o gravador…Material valioso! A polícia já lhe está no encalço, foi logo identificado pelo sistema computadorizado do detective do Hotel. Trata-se de um conhecido ratão, um tipo sem eira nem beira que costuma acobertar-se aí pelas esquinas e as sombras e, quando menos se espera…dá a palmada. Mas creio que a Metropolitan Police não demorará a deitar-lhe a luva…!”.

   E, com efeito, não demorou. Rapidamente identificado e capturado, foi remetido à enxovia e o gravador e as diskettes entregues ao nosso director, que de imediato mas pôs em mão para as normalizar. E tudo terminou em bem, com uns tragos de “Old Glock” a acalentar-nos o sentimento do dever cumprido.

  A entrevista é como segue.

Jason Peeplewebb (JP) – Não lhe escondo, Doutor Jagodes, que vou ser muito directo e talvez incómodo nas perguntas. Se por acaso notar que…

Doutor José Jagodes (JJ) – Olha, moço, vamos deixar já esclarecidinha uma coisa: não te ponhas com fosquinhas que eu não sou como o ministro Sousa Pereira, que exigiu ao M.Crespo que não lhe fizesse perguntas chatas, que o deixassem de cara ao lado e que o tratasse respeitosamente por Sr. Ministro... Tontices dessas não são comigo! Perguntas o que quiseres e como quiseres, descontrai-te e já agora deita aí mais uns dedos de “bourbon” que isso passa-te. Valeu?

JP – Mesmo que seja perguntar-lhe qual a sua filiação partidária? Ou se é anarquista, como há uns tempos num julgamento uma pessoa da magistratura perguntou a um dos queixosos? Ou…

JJ – Se me perguntasses de que equipa da bola sou fã…isso é que era grave! Agora por que partido torço…Isso é o trivial, posso-te dizer um qualquer e ficas na mesma. São praticamente todos iguais, embora haja diferenças: uns viram p’rá esquerda, outro dobram p’rá direita, ainda que uns gritem mais que outros. Não ligues, estou a brincar, era uma piada que tu como americano se calhar não percebes…Olha, põe aí: sou da situação.

JP – Da situação…? Não percebo.

JJ – Nem precisas, mano. Olha, quer dizer que estou com os que manobram o taco…o pilim e as nomeações, nomeadamente de filhas e cunhadas e primos dos sogros. Entendeste melhor?

JP – Penso que sim… Mas tinham-me dito que o Doutor…era homem de fortes convicções…Sujeito de uma só cara…

JJ – E sou! A minha convicção – e sigo os preceitos clássicos, juro-te, no enfiamento daquele antigo deputado girondino…ou assim… - é estar com os que de momento levam o país na senda de progresso a que se assiste…O bem da pátria acima de tudo!

JP – Se calhar até se filiou já numa dessas irmandades que…

JJ – Numa obscura irmandade, dessas irregulares mas deixá-lo, como diz um confrade meu? Olha, pá, acertaste. Filiei-me numa Sociedade secreta: o Grupo Gastronómico e Recreativo de Vila Facaia.

JP – Essa não conhecia. E os vossos ritos…pode-se ter um cheirinho…

JJ – Só se for dos rojões à moda de Barcelos. É que ali o secretismo consiste nisto: a malta não andar muito às claras porque certas esposas desconfiam que depois dos jantares vamos às…não sei se me entendes…

JP – Não entendo. Mas não importa. Interessa-me mais saber das presidenciais, o que se perspectiva na…

JJ – O que se perspectiva, o que se perspectiva…! Não se perspectiva nada, ou melhor, perspectiva-se tudo. Já se sabe que quem vai ganhar é o…

JP – O Manuel…?

JJ – Manel? Quais Manel? Ah, o…o extraordinário poeta e que também, ainda por cima, escreve bem…Não, referia-me ao outro, o da situação, o que não precisa de fazer nada porque os amigos e correligionários já fizeram tudo inclusive meterem-no em alhadas quando menos espera. Sim. Acho que sim. E também te digo a ti, como ele costuma dizer: tem calma, tem esperança, que ainda vais ser prémio Pulitzer se não te agachas…!

JP – Mas eu não quero ser Pulitzer, só quero que o meu jornal não entre em crise aguda como os outros que…

JJ – Cá é o mesmo. A malta só o que quer é objectivos ligeiros, consensuais, como não ter de pagar balúrdios para safar os banqueiros, esses tristes e anémicos dum ponto de vista monetário, mas no entanto…

JP – É isso. Vocês também têm, ao que percebo, uma Constituição que…

JJ – Constituição??! Mas que é isso pá? Temos as comissões de inquérito e é um pau…Não servem para nada, porque lá está o Assis…e os colegas…

JP – São Francisco de Assis? Sim, tenho ouvido dizer que vocês resolvem tudo pela fé. Ainda há uns quinze dias tiveram lá o Santo Padre…

JJ – Mas principalmente tivemos Joseph Ratzinger! Parece o mesmo, mas não é. Ao passo que o Papa pode ser uma função, digamos, o Cardeal J.R. está longe de o ser. Bom, mas não nos dispersemos…As coisas vão melhorar, já se nota qualquer coisa de novo, um ar mais feliz e dinâmico…!

JP – Também se não fosse assim…Ficavam-no a dever à consciência…Só o dia de tolerância de ponto custou pr’aí uns…

JJ – Xarape! Que é lá isso? Também me vens com essa conversa dos maldizentes e incréus??!

JP – Mas eu só…

JJ – Olha, deixa-te disso. Foi um dinheiro bem gasto. Se não acreditas pergunta-o ao Padre…

JP – (interrompendo) – Ao padre D. Policar…

JJ – Chut! Chuuut! Cala lá o bico, nada de nomes. Isto é uma democracia, mas quando chega aí…parou! O diálogo com os abstémios, ai, os ateus é muito giro mas é para as homilias do frei Bento…ou do frei Boff, ou assim…De resto é melhor xarape, não sei se percebes…porque tu estás na América, de rabo tremido, mas eu estou intermitentemente lá e…

JP – Percebo. Pronto, adiante. E que me diz daquela coisa cultural do vosso chefe com o Francisco Buarcos de Holanda, o fadista?

JJ – Por acaso não é fadista, mas não interessa. Referes-te ao brasileiro que quis conhecer o nosso manda-chuva? Só tenho a dizer que tem bom gosto. Eu, se me dessem a escolher passar duas horas com o Hugo Chávez ou o Mourinho, ou mesmo com o Teixeira e Santos ou a Maria de Belém também preferia passar 5 minutos de bato-papo com o dinâmico e progressista grisalho de nome grego. Era, em todo o caso, mais rápido!

JP – Yeah! Referiu-se a Teixeira e Santos. Não me diga que também está agora do seu lado!

JJ – Acertaste, ganapo! Estou e não faço favor nenhum. Para já, tem um ar escarolado e, num país onde vibra tanta sujeira, ter-se um ar escarolado é meio caminho andado. Mas além disso, há o bom senso!

JP – Bem sei…O bom senso financeiro…

JJ – Financeiro? Mas quem é que falou em financeiro? Eu refiro-me ao bom senso tout court! Ao bom senso societário, quotidiano! Pois nunca ouviste dizer “Se não podes vencê-los junta-te a eles”? Então…! Estou convictamente do lado do Teixeira, cumpro o meu dever (dever, do verbo ficar devendo) de patriota!

JP – Vejo que o doutor se tornou um pragmático… E em matéria de política internacional, de figuras destacadas…

JJ – Fico-me pelo nosso Zé Manel…Tu sabes, o D.Barroso. O que é nacional é bom e assim é uma espécie de ir lá fora cá dentro. Percebeste? Nacionalismo é o meu forte! E é um prestígio para o País, não se ganha nada com isso mas ficamos com o ego repoltreado. Os olhos também comem, compadre!

JP – Hum, hum…! E nem lhe pergunto por coisas do desporto.

JJ – É melhor não.

JP – Coisas como por exemplo o…

JJ – É melhor não. De resto praticamente já está tudo resolvido…

JP – Resolvido? Como assim? Pois se ainda agora começou…

JJ – Mas referes-te a quê?

JP – Eu pensava que me estava a referir ao Campeonato do mundo da bola?

JJ – Ao Campeonato…do mundo…? Mas eu importo-me lá com isso, zabumba! Eu pensava que te estavas a referir era aos novos amores do Pinto da…

JP – Xarape lhe digo eu agora! Não me meta em sarilhos, please. Eu não quero andar nas bocas do mundo, basta-me a minha Nova Iorque e por extensão os próprios EUA…

JJ – Pronto, está bem, eu calo-me! Mas sempre te digo que vocês na América são uns cagarolas! Vivessem vocês em Portugal…sempre com os jornais em porrada bravia com o Bava, o Soares Pedro, um Vara e tal…O que é Chicago comparada com os sábados…em que saem os semanários? Uma pechincha!

JP – Mas isso é agora, que temos o Obama. Dantes com o Bush era uma algazarra!

JJ – Não me digas! Chegava lá a barulheira da malta fixe do Chico Louçano? Olha, não faz mal – ainda têm as coisitas da faixa de Gaza e dos confrades da Hezbollah para se entreterem…Queres perguntar mais alguma coisa?

JP – Eu parece-me que me fico por aqui…

JJ – Está bem. Tive muito gosto. E diz ao Obama que tenha calma como diz o bom do Cavaco, ele que não se amofine muito. Mal mal estará o Nobre se ganhar as eleições! Com esta malta e com os desiludidos se o Campeonato lá p’rós lados do Mandela correr mal…Não lhe queria estar na pele! O que vale é que o Verão parece ir estar magnífico!

(Entrevista conduzida por Jason Peeplewebb, esquire)

Nicolau Saião – Monforte do Alentejo (Portalegre) 1946. É poeta, publicista, actor-declamador e artista plástico.  

Participou em mostras de Arte Postal em países como Espanha, França, Itália, Polónia, Brasil, Canadá, Estados Unidos e Austrália, além de ter exposto individual e colectivamente em lugares como Lisboa, Paris, Porto, Badajoz, Cáceres, Estremoz, Figueira da Foz, Almada, Tiblissi, Sevilha, etc.   

Em 1992 a Associação Portuguesa de Escritores atribuiu o prémio Revelação/Poesia ao seu livro “Os objectos inquietantes”. Autor ainda de “Assembleia geral” (1990), “Passagem de nível”, teatro (1992), “Flauta de Pan” (1998), “Os olhares perdidos” (2001), “O desejo dança na poeira do tempo”, “Escrita e o seu contrário” (a sair).    

No Brasil foi editada em finais de 2006 uma antologia da sua obra poética e plástica (“Olhares perdidos”) organizada por Floriano Martins para a Ed. Escrituras. Pela mão de António Cabrita saiu em Moçambique (2008), “O armário de Midas”, estando para sair “Poemas dos quatro cantos”(antologia).       

Fez para a “Black Sun Editores” a primeira tradução mundial integral de “Os fungos de Yuggoth” de H.P.Lovecraft (2002), que anotou, prefaciou e ilustrou, o mesmo se dando com o livro do poeta brasileiro Renato Suttana “Bichos” (2005).  

Organizou, coordenou e prefaciou a antologia internacional “Poetas na surrealidade em Estremoz” (2007) e co-organizou/prefaciou ”Na Liberdade – poemas sobre o 25 de Abril”. 

Tem colaborado em  espaços culturais de vários países: “DiVersos” (Bruxelas/Porto), “Albatroz” (Paris), “Os arquivos de Renato Suttana”, “Agulha”, Cronópios, “Jornal de Poesia”, “António Miranda” (Brasil), Mele (Honolulu), “Bicicleta”, “Espacio/Espaço Escrito (Badajoz), “Bíblia”, “Saudade”, “Callipolle”, “La Lupe”(Argentina) “A cidade”, “Petrínea”, “Sílex”, “Colóquio Letras”, “Velocipédica Fundação”, “Jornal de Poetas e Trovadores”, “A Xanela” (Betanzos), “Revista 365”, “Laboratório de poéticas” (Brasil), “Revista Decires” (Argentina), “Botella del Náufrago”(Chile)...  

Prefaciou os livros “O pirata Zig-Zag” de Manuel de Almeida e Sousa, “Fora de portas” de Carlos Garcia de Castro, “Mansões abandonadas” de José do Carmo Francisco (Editorial Escrituras), “Estravagários” de Nuno Rebocho e “Chão de Papel” de Maria Estela Guedes (Apenas Livros Editora). 

Nos anos 90 orientou e dirigiu o suplemento literário “Miradouro”, saído no “Notícias de Elvas”. Co-coordenou “Fanal”, suplemento cultural publicado mensalmente no semanário alentejano ”O Distrito de Portalegre”, de Março de 2000 a Julho de 2003. 

Organizou, com Mário Cesariny e C. Martins, a exposição “O Fantástico e o Maravilhoso” (1984) e, com João Garção, a mostra de mail art “O futebol” (1995).  

Concebeu, realizou e apresentou o programa radiofónico “Mapa de Viagens”, na Rádio Portalegre (36 emissões) e está representado em antologias de poesia e pintura. O cantor espanhol Miguel Naharro incluiu-o no álbum “Canciones lusitanas”.  

Até se aposentar em 2005, foi durante 14 anos o responsável pelo Centro de Estudos José Régio, na dependência do município de Portalegre.  

É membro honorário da Confraria dos Vinhos de Felgueiras. Em 1992 o município da sua terra natal atribuiu-lhe o galardão de Cidadão Honorário e, em 2001, a cidade de Portalegre comemorou os seus 30 anos de actividade cívica e cultural outorgando-lhe a medalha de prata de Mérito Municipal.

 

 

 

 


hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano