NICOLAU SAIÃO

Extinguir o senso crítico (No Dia da Poesia)

Durante muitos anos, num trabalho de sapa a que certos fideístas deram larga cobertura, os membros do Poder tentaram - ainda que em democracia formal - usar para com os que criticavam o estado de coisas com princípio, meio e fim um truque muito conhecido: essas pessoas eram gente que com nada se contentava.

Assim agiu no passado o salazarismo. Assim depois, de forma mais arteira, hipócrita e mitigada (pois começavam as barbas a arder-lhes) o tentaram os partidários do chamado marcelismo, usando a célebre frase feita (recordam-se?) "Aceitamos críticas desde que sejam construtivas", ou seja, as críticas que lhes convinham por nada porem em causa e nada modificarem. E ainda, por vezes, a alguns incautos, lhes aproveitavam as ideias ingenuamente dispensadas, como se fossem deles... 

 Mais atrás, nos tempos de subida ao poder, também assim procederam os nazis, que logo transmutaram, assim que se apanharam no poleiro, as falsas proposições em algo mais consistente, ou seja prisões e campos de concentração.

Outros, mais "progressistas", usavam os "campos de reeducação". 

O que se visava era, claro, extinguir o senso crítico. Se não resultava, numa primeira fase, passava-se à segunda: campanhas de difamação, calabouço para os sectores mais renitentes. 

Neste momento, de há uns tempos a esta parte, o truque sofreu nuances: privilegia-se, nos locais expressos em que ainda se consente nos exprimamos, as "críticas" ora de cariz pseudo-humorístico (roçando o desbocamento e o desabafo reles), ora o discurso estapafúrdio que, por si mesmo, se desbanque por apalhaçado e permita, depois, que o tratante de serviço venha neutralizar as parlengas pelo tom ora pseudo-académico, ora de estatuto "consciente" e "ponderado". 

E é assim que, em determinados fóruns que foram surgindo um pouco por todos os mídias, se censuram textos críticos racionais e informados, deixando vir a lume ora a "macacada", ora o desconchavo, ora o insulto até de cariz pornográfico. 

Mas como o espaço interactivo tem mais que um compartimento, para além do dominado por esses cavalheiros, a pouco e pouco isso sabe-se com soma de pormenores. 

Nos últimos dias, vindos da parte de sectores que em geral apoiam o governo ainda em exercício, claramente assustados pela consciencialização que a juventude e os mais velhos parece estarem a ganhar, têm-se multiplicado os ataques, em tom calhordas ou de "guerra de gerações" contra os que se reivindicam de ter uma palavra a dizer no meio da ruína a que os mandantes têm levado o país. 

Ora são, os apelidam de, gaiatos, ora potenciais fazedores de distúrbios, ora se calhar - como nos bons tempos da outra senhora - tipos a soldo do estrangeiro... 

Em suma: o papel que lhes destinavam, como no livro de Bradbury "Fahrenheit 451" era de pequenotes cantaroladores de brinco na orelha. Ou, como alguns sem pudor disseram mesmo expressamente "moços que deviam emigrar". 

A crise acentuada veio modificar os dados da questão. E se muitos dos que se queixam o fazem porque lhes estão a rarear oportunidades, a maioria age porque este estado de coisas, seja para novos ou para velhos - não pode de facto suportar-se! E sentem-no, sentimo-lo todos, na pele. 

No dia mundial da poesia, que como outros dias serve frequentemente para deitar poeira nos olhos dos muitos inocentes que, recebendo esse tostão, ficam gratificados, entendi que o mais adequado acto poético da minha parte era trazer à colação isto que aqui vos deixei escrito. Porque, hoje como ontem, o poeta não é um "entertainer" ou um "crooner", mas sim alguém que concebe que deve tentar iluminar o negrume que muitos buscam nos caia em cima da cabeça, enquanto não podem fazer cair algo de mais material e doloroso...

 

 Com estima e o proverbial abraqson fica o

 n.

Nicolau Saião – Monforte do Alentejo (Portalegre) 1946. É poeta, publicista, actor-declamador e artista plástico.  

Participou em mostras de Arte Postal em países como Espanha, França, Itália, Polónia, Brasil, Canadá, Estados Unidos e Austrália, além de ter exposto individual e colectivamente em lugares como Lisboa, Paris, Porto, Badajoz, Cáceres, Estremoz, Figueira da Foz, Almada, Tiblissi, Sevilha, etc.   

Em 1992 a Associação Portuguesa de Escritores atribuiu o prémio Revelação/Poesia ao seu livro “Os objectos inquietantes”. Autor ainda de “Assembleia geral” (1990), “Passagem de nível”, teatro (1992), “Flauta de Pan” (1998), “Os olhares perdidos” (2001), “O desejo dança na poeira do tempo”, “Escrita e o seu contrário” (a sair).    

No Brasil foi editada em finais de 2006 uma antologia da sua obra poética e plástica (“Olhares perdidos”) organizada por Floriano Martins para a Ed. Escrituras. Pela mão de António Cabrita saiu em Moçambique (2008), “O armário de Midas”, estando para sair “Poemas dos quatro cantos”(antologia).       

Fez para a “Black Sun Editores” a primeira tradução mundial integral de “Os fungos de Yuggoth” de H.P.Lovecraft (2002), que anotou, prefaciou e ilustrou, o mesmo se dando com o livro do poeta brasileiro Renato Suttana “Bichos” (2005).  

Organizou, coordenou e prefaciou a antologia internacional “Poetas na surrealidade em Estremoz” (2007) e co-organizou/prefaciou ”Na Liberdade – poemas sobre o 25 de Abril”. 

Tem colaborado em  espaços culturais de vários países: “DiVersos” (Bruxelas/Porto), “Albatroz” (Paris), “Os arquivos de Renato Suttana”, “Agulha”, Cronópios, “Jornal de Poesia”, “António Miranda” (Brasil), Mele (Honolulu), “Bicicleta”, “Espacio/Espaço Escrito (Badajoz), “Bíblia”, “Saudade”, “Callipolle”, “La Lupe”(Argentina) “A cidade”, “Petrínea”, “Sílex”, “Colóquio Letras”, “Velocipédica Fundação”, “Jornal de Poetas e Trovadores”, “A Xanela” (Betanzos), “Revista 365”, “Laboratório de poéticas” (Brasil), “Revista Decires” (Argentina), “Botella del Náufrago”(Chile)...  

Prefaciou os livros “O pirata Zig-Zag” de Manuel de Almeida e Sousa, “Fora de portas” de Carlos Garcia de Castro, “Mansões abandonadas” de José do Carmo Francisco (Editorial Escrituras), “Estravagários” de Nuno Rebocho e “Chão de Papel” de Maria Estela Guedes (Apenas Livros Editora). 

Nos anos 90 orientou e dirigiu o suplemento literário “Miradouro”, saído no “Notícias de Elvas”. Co-coordenou “Fanal”, suplemento cultural publicado mensalmente no semanário alentejano ”O Distrito de Portalegre”, de Março de 2000 a Julho de 2003. 

Organizou, com Mário Cesariny e C. Martins, a exposição “O Fantástico e o Maravilhoso” (1984) e, com João Garção, a mostra de mail art “O futebol” (1995).  

Concebeu, realizou e apresentou o programa radiofónico “Mapa de Viagens”, na Rádio Portalegre (36 emissões) e está representado em antologias de poesia e pintura. O cantor espanhol Miguel Naharro incluiu-o no álbum “Canciones lusitanas”.  

Até se aposentar em 2005, foi durante 14 anos o responsável pelo Centro de Estudos José Régio, na dependência do município de Portalegre.  

É membro honorário da Confraria dos Vinhos de Felgueiras. Em 1992 o município da sua terra natal atribuiu-lhe o galardão de Cidadão Honorário e, em 2001, a cidade de Portalegre comemorou os seus 30 anos de actividade cívica e cultural outorgando-lhe a medalha de prata de Mérito Municipal.

 

 

 

 


hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano