Nova Série

 
 

 

 

 

 

NICOLAU SAIÃO
O cair da folha

  Neste Outono menos nostálgico que acalentador política e socialmente falando – pelo menos para alguns, fracção razoável do povinho incluído – faz sentido debruçarmo-nos um pouco sobre o que ontem (pré 5 de Outubro…) sucedeu eleitoral e mediaticamente falando.

  Num vôo de pássaro (pardal, gavião, albatroz…) sobre o que nos foi dado ver pelas diversas estações televisivas, algumas coisas nos chamaram a atenção.

   Aqui as deixamos, ponto a ponto:

1.    A “performance” do antigo primeiro-ministro, hoje submetido a vilegiatura obrigatória num entreposto duma rua da capital, aos repórteres que quase ansiosamente o aguardavam. Apesar da sua evidente atitude, supostamente dinâmica política e interventora, não conseguimos ver o afamado “animal feroz” mas um indivíduo de rosto marcado pelas rugas da actual magreza (e apoquentações?), encanecido, uma espécie de fantasma político que, ao que cremos, ainda não percebeu que já nada tem a fazer no imaginário público nacional, excepto ser acolhido por gente dos médias visando faits divers supranumerários ou vitoriado por ineficazes. 

2.    A intervenção, digna de um “vaudeville” de segunda ordem, dum declarante oficial do PC, antigo candidato à presidência de República,   que mostrou que as ilusões circulantes naquela formação se traduzem em algo que seria trágico se não fosse tristemente cómico: ganharem tendo perdido, utilizando uma retórica que nos mergulha numa comiseração indisfarçável. Foi a isto que chegou a sombra errante do “Pai dos Povos”, com toda a sua carga simbólica, e que corrobora a velha e astuta frase de que a História se repete, primeiro como tragédia e depois como farsa? 

3.    A presença, bem entrosada, de membros da chamada “tralha socrática”, depois passados para a figuração costista, apostados ferreamente em demonstrar que o seu novel chefe (foi o que se pôde arranjar…), foi um valente guerreiro, mau grado os desconchavos, os paupérrimos conceitos e a sua capacidade indiscutível para não interessar nada a quem mais interessaria – que é como quem diz: os cidadãos portugueses. 

4.    Os gritos vibrantes, denunciadores de uma certa habilidade proto-circense, digamos, do acervo de partidários com, bem na frente, amoráveis “múmias” do staff socialista, vitoriando galhardamente o chefe que acabava de ser derrotado quando este, ainda mais galhardamente e numa frase que diz tudo sobre o mesmo, anunciou que não se demitiria…

5.    Os esforços quase hercúleos de certas estações televisivas que, servindo-se de comentadores/convidados competentíssimos nos seus malabarismos, se esmeraram à boa maneira das fábulas para demonstrar que o preto é branco e o branco é preto politicamente falando, pelo menos na praça lusa. 

6.    A deliciosa arrogância, alfacinhista na essência mas muito grega no perfil clássico, da dirigente bloquista, que ilustrou na perfeição a velha máxima de que, no que respeita a formações governamentais em hipótese, a impossibilidade disso antes de o ser já o era 

7.    A garantia, dos triunfadores da contenda, de que vão proceder a ajustes na máquina de governar – o que, sendo uma vontade não é, pelo que se presume e pelo que já se ouviu, algo para acreditarmos estupendamente. Não esqueçamos que ainda por cima nas hostes rosas se conservam ferros, galambas e lacões (e outros pelo estilo) o que não nos permite sonhar excessivamente. 

8.    Por último, a retórica do chefe comunista (a que alguns, tecnicamente, atribuem resiliências que viriam do estalinismo – discordo, acho que aquilo é mesmo estrutural), na sua vontade - claro que a favor, sempre, do bom povo totalmente proletário – de ir para o cadeirão curial sem ter para isso expressão maioritária dos votantes…

 

 

ns

 
 

Nicolau Saião – Monforte do Alentejo (Portalegre) 1946. É poeta, publicista, actor-declamador e artista plástico.  

Participou em mostras de Arte Postal em países como Espanha, França, Itália, Polónia, Brasil, Canadá, Estados Unidos e Austrália, além de ter exposto individual e colectivamente em lugares como Lisboa, Paris, Porto, Badajoz, Cáceres, Estremoz, Figueira da Foz, Almada, Tiblissi, Sevilha, etc.   

Em 1992 a Associação Portuguesa de Escritores atribuiu o prémio Revelação/Poesia ao seu livro “Os objectos inquietantes”. Autor ainda de “Assembleia geral” (1990), “Passagem de nível”, teatro (1992), “Flauta de Pan” (1998), “Os olhares perdidos” (2001), “O desejo dança na poeira do tempo”, “Escrita e o seu contrário” (a sair).    

No Brasil foi editada em finais de 2006 uma antologia da sua obra poética e plástica (“Olhares perdidos”) organizada por Floriano Martins para a Ed. Escrituras. Pela mão de António Cabrita saiu em Moçambique (2008), “O armário de Midas”, estando para sair “Poemas dos quatro cantos”(antologia).       

Fez para a “Black Sun Editores” a primeira tradução mundial integral de “Os fungos de Yuggoth” de H.P.Lovecraft (2002), que anotou, prefaciou e ilustrou, o mesmo se dando com o livro do poeta brasileiro Renato Suttana “Bichos” (2005).  

Organizou, coordenou e prefaciou a antologia internacional “Poetas na surrealidade em Estremoz” (2007) e co-organizou/prefaciou ”Na Liberdade – poemas sobre o 25 de Abril”. 

Tem colaborado em  espaços culturais de vários países: “DiVersos” (Bruxelas/Porto), “Albatroz” (Paris), “Os arquivos de Renato Suttana”, “Agulha”, Cronópios, “Jornal de Poesia”, “António Miranda” (Brasil), Mele (Honolulu), “Bicicleta”, “Espacio/Espaço Escrito (Badajoz), “Bíblia”, “Saudade”, “Callipolle”, “La Lupe”(Argentina) “A cidade”, “Petrínea”, “Sílex”, “Colóquio Letras”, “Velocipédica Fundação”, “Jornal de Poetas e Trovadores”, “A Xanela” (Betanzos), “Revista 365”, “Laboratório de poéticas”(Brasil), “Revista Decires” (Argentina), “Botella del Náufrago”(Chile)...  

Prefaciou os livros “O pirata Zig-Zag” de Manuel de Almeida e Sousa, “Fora de portas” de Carlos Garcia de Castro, “Mansões abandonadas” de José do Carmo Francisco (Editorial Escrituras), “Estravagários” de Nuno Rebocho e “Chão de Papel” de Maria Estela Guedes (Apenas Livros Editora). 

Nos anos 90 orientou e dirigiu o suplemento literário “Miradouro”, saído no “Notícias de Elvas”. Co-coordenou “Fanal”, suplemento cultural publicado mensalmente no semanário alentejano ”O Distrito de Portalegre”, de Março de 2000 a Julho de 2003. 

Organizou, com Mário Cesariny e C. Martins, a exposição “O Fantástico e o Maravilhoso” (1984) e, com João Garção, a mostra de mail art “O futebol” (1995).  

Concebeu, realizou e apresentou o programa radiofónico “Mapa de Viagens”, na Rádio Portalegre (36 emissões) e está representado em antologias de poesia e pintura. O cantor espanhol Miguel Naharro incluiu-o no álbum “Canciones lusitanas”.  

Até se aposentar em 2005, foi durante 14 anos o responsável pelo Centro de Estudos José Régio, na dependência do município de Portalegre.  

É membro honorário da Confraria dos Vinhos de Felgueiras. Em 1992 o município da sua terra natal atribuiu-lhe o galardão de Cidadão Honorário e, em 2001, a cidade de Portalegre comemorou os seus 30 anos de actividade cívica e cultural outorgando-lhe a medalha de prata de Mérito Municipal.

Blog : Ablogando, em: http://ab-logando.blogspot.pt/

 
 
 

 

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano