Nova Série

 
 

 

 

 

 

NICOLAU SAIÃO
Os viajantes sem rosto

Viagem só há uma: só há

uma viagem. De vida só

uma – a semente no

coração: de grão, de mulher, de planície e

tempo

transparente viagem entre os rios

minutos

a rude viagem de nós a

mundo

palavra presa que de noite rompe

de noite toma

madrugada e língua

onda e treva, escrevendo

o verbo obscuro

de mão

e vento

- viagem uma só   queimando

a morte

axila em que formado se

consome o

furor da fome   frente

ao liso gomo de carne sob os dedos

de gente: o Homem.

 

Viagem uma só: terra

e pranto sobre os cantos

da cama

onde é sagrado o espanto de bichos

verbo então dizendo

o ânimo de dentro

o antigo mar afluente rompendo

enlouquecido a atenta

cruz de paixão em bosque e luz jacente:

quem se viaja em nós connosco ardendo?

 

Não mais se deixará por incendiada

a estrela-macho

de adultas águas no universo ausente

velhas vinhas de cachos excessivos

- esse o líquido posto no sinal de crescer

corpo

de guerra e fendido acaso

exposto

florindo em tudo seu pretexto de domínios

excedendo

o excesso.

 

Por moradas de só

placenta e mito

palavras de morte que vida seja em pouco

espaço inconcebível e distante

barco por olhos e meses de escancarada

manhã de terna e gritada

floresta

onde cai devagar a outra chuva

a sangrada chuva   impassível mesa

de pão esquecido no hábito dos gestos

desmedidos

aridez alargada de campo   afrontamento

de peito e praia   braço

incontável desvão   arquitectura

de beijo

e mordido silêncio

tanto   tanto

animal luminoso com seus dentes de infância e desejo

ano após ano no interior mais denso

onde a carne insinuada se queda (in)confessa

e rebenta

na espádua

na boca violenta

- o vestígio molhado

onde pasma o solar espasmo correndo.

Viagem de lonjura

conduzida: viagem mais loucura e mais

sentida. Viagem passo a passo

claramente planeta no morrer da

solidão

ilusão de mergulho na cidade acesa

fria e espessa

coração navegado de segredo e

cárcere

uma casa pairando por vingança   corredores suspensos

de jardins calados

na curva dolente da

cólera e do

ódio sonoro do ar

apenas muro vestido de secura   riscos

de estranhas manchas   rugas

dias idos

tudo o que gera a calma conduzindo os defuntos e

os vivos acontecendo

por saudade e desgosto em momentos de

febre

em arrastado amor que fala e perde

- assim dito seria por quem brincou ao sol –

e de fora se impele contra a amargura e a

doença

camisola hostil e assustada

pela mão diferente e deslizante   a ânsia

consentida

chama invocada aflorando a sombra

do cabelo

em desmaios e queixas e

amor feito

talhado à imagem de

figura   de viagem   uma

viagem ousada

alquímica alquimia de escolhida memória

inferno inicial de ternura perplexa   mulher

mercúrio de criança dentro em

suor e dor

no Verão de não-virtude: de haver e ter

um Agosto infinito borboleta fugindo

ao suspiro   de pescoço de nádega de joelho

espelho de filhos no antes do prazer   da

possível indesmentida viagem suprema

funda de gemidos   a esperança

duma pele lambida tocada   criando

mais pesadas as horas de não despertar

mais contadas as vozes de não existir

Noite que em si de si fugia

noite que em si revelava o dia

noite que junto ao umbigo encontra o peso da areia morta

noite sensual e fresca sabida companheira da eternidade

livre ao pôr-do-sol da multidão

- um olhar rápido ao oceano circundante

quando um olho com outro olho se choca

um lábio ocultando a

unha a polpa da

conversa interminável   viva erecção

de ruas enchendo o mundo   anca

de agonia e grandeza   de expelido amor.

 

Uma

não mais: que é viagem

o trémulo tapado cantar dos que dormem

uma raiz perpétua   vasta como

um corpo dado ao sono outonal

girando sobre tantos havidos corações.

 

Viagem: uma só e

frágil   na apodrecida porta imensa do tempo

perturbada

florescente arbusto de fruto masculino

feminino contorno de desespero

 

para sempre

destruídos.

 

 

in “Residência Fixa”

ns

 

Nicolau Saião – Monforte do Alentejo (Portalegre) 1946. É poeta, publicista, actor-declamador e artista plástico.  

Participou em mostras de Arte Postal em países como Espanha, França, Itália, Polónia, Brasil, Canadá, Estados Unidos e Austrália, além de ter exposto individual e colectivamente em lugares como Lisboa, Paris, Porto, Badajoz, Cáceres, Estremoz, Figueira da Foz, Almada, Tiblissi, Sevilha, etc.   

Em 1992 a Associação Portuguesa de Escritores atribuiu o prémio Revelação/Poesia ao seu livro “Os objectos inquietantes”. Autor ainda de “Assembleia geral” (1990), “Passagem de nível”, teatro (1992), “Flauta de Pan” (1998), “Os olhares perdidos” (2001), “O desejo dança na poeira do tempo”, “Escrita e o seu contrário” (a sair).    

No Brasil foi editada em finais de 2006 uma antologia da sua obra poética e plástica (“Olhares perdidos”) organizada por Floriano Martins para a Ed. Escrituras. Pela mão de António Cabrita saiu em Moçambique (2008), “O armário de Midas”, estando para sair “Poemas dos quatro cantos”(antologia).       

Fez para a “Black Sun Editores” a primeira tradução mundial integral de “Os fungos de Yuggoth” de H.P.Lovecraft (2002), que anotou, prefaciou e ilustrou, o mesmo se dando com o livro do poeta brasileiro Renato Suttana “Bichos” (2005).  

Organizou, coordenou e prefaciou a antologia internacional “Poetas na surrealidade em Estremoz” (2007) e co-organizou/prefaciou ”Na Liberdade – poemas sobre o 25 de Abril”. 

Tem colaborado em  espaços culturais de vários países: “DiVersos” (Bruxelas/Porto), “Albatroz” (Paris), “Os arquivos de Renato Suttana”, “Agulha”, Cronópios, “Jornal de Poesia”, “António Miranda” (Brasil), Mele (Honolulu), “Bicicleta”, “Espacio/Espaço Escrito (Badajoz), “Bíblia”, “Saudade”, “Callipolle”, “La Lupe”(Argentina) “A cidade”, “Petrínea”, “Sílex”, “Colóquio Letras”, “Velocipédica Fundação”, “Jornal de Poetas e Trovadores”, “A Xanela” (Betanzos), “Revista 365”, “Laboratório de poéticas”(Brasil), “Revista Decires” (Argentina), “Botella del Náufrago”(Chile)...  

Prefaciou os livros “O pirata Zig-Zag” de Manuel de Almeida e Sousa, “Fora de portas” de Carlos Garcia de Castro, “Mansões abandonadas” de José do Carmo Francisco (Editorial Escrituras), “Estravagários” de Nuno Rebocho e “Chão de Papel” de Maria Estela Guedes (Apenas Livros Editora). 

Nos anos 90 orientou e dirigiu o suplemento literário “Miradouro”, saído no “Notícias de Elvas”. Co-coordenou “Fanal”, suplemento cultural publicado mensalmente no semanário alentejano ”O Distrito de Portalegre”, de Março de 2000 a Julho de 2003. 

Organizou, com Mário Cesariny e C. Martins, a exposição “O Fantástico e o Maravilhoso” (1984) e, com João Garção, a mostra de mail art “O futebol” (1995).  

Concebeu, realizou e apresentou o programa radiofónico “Mapa de Viagens”, na Rádio Portalegre (36 emissões) e está representado em antologias de poesia e pintura. O cantor espanhol Miguel Naharro incluiu-o no álbum “Canciones lusitanas”.  

Até se aposentar em 2005, foi durante 14 anos o responsável pelo Centro de Estudos José Régio, na dependência do município de Portalegre.  

É membro honorário da Confraria dos Vinhos de Felgueiras. Em 1992 o município da sua terra natal atribuiu-lhe o galardão de Cidadão Honorário e, em 2001, a cidade de Portalegre comemorou os seus 30 anos de actividade cívica e cultural outorgando-lhe a medalha de prata de Mérito Municipal.

Blog : Ablogando, em: http://ab-logando.blogspot.pt/

 
 
 

 

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano