Nova Série

 
 

 

 

 

 

NICOLAU SAIÃO

Assim que passem trinta anos... Trinta anos depois

   Nos finais de 1986 recebi o convite – veiculado pelo vereador da Cultura do município portalegrense Luís Bacharel, que também esteve na origem da vinda a Portalegre a participar numa sessão do Cineclube local que eu então orientava, de Mário Cesariny – para protagonizar a celebração, que em todo o mundo civilizado foi efectuada, do Ano Internacional da Paz que também teve a participação de outros autores da Cidade.

    A minha resposta afirmativa concretizou-se na feitura de um Cartaz alusivo, de um mural em suporte adequado, duma pequena mostra constituída por 8 quadros e dum texto-declaração.

    E é esse material que agora, com a estima de sempre, aqui deixo entregue a todos vós.

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS

   Numa sociedade democrática, ainda que ela seja frequentemente mais formal que real, assiste a qualquer cidadão o direito de manifestar as suas opiniões sobre os diferentes acontecimentos de diversa índole que constituem o quotidiano quer dos indivíduos em si, quer destes na sua relação com a polis. Com vossa permissão, que desde já agradeço, vou usar desse direito, que aliás me perece constituir a pedra de toque de uma comunidade verdadeiramente civilizada.

    Esclareço, em primeiro lugar, que a minha participação neste evento se deve antes de mais á consideração pessoal que me merece a individualidade por quem fui convidado. Depois, faço questão de esclarecer que a palavra Paz – como diria André Breton – é uma das que ainda me comunica funda comoção. Como Liberdade, por exemplo. Como cultura e humanização, também.

    Não vos escondo que, provavelmente como cada um de vós, tenho da Paz uma ideia que não é condicionável e, por isso, é ela para mim algo a encarar sempre de maneira alargada que, na verdade, me parece a única a justificar a nossa acção de cidadãos, de homens e de artistas.

   Numa cidade como Portalegre, onde campeia por infelicidade de todos um certo vazio que tem causas facilmente descriptáveis – quais sejam o incremento da incultura coberta por jaculatórias totalitárias, do preconceito intelectual e mental a que um fideísmo retrógrado dá cobertura, do isolamento provinciano a que o anterior regime nos forçou, do desinteresse novo-rico pelos valores mais lídimos do espírito, do compadrio e da astúcia – levar-se a efeito uma iniciativa deste género, posto que com compreensíveis limitações que a reduzem, não pode ser um acontecimento de cunho apenas formal. Gostaria, pelo menos, e faço a justiça de considerar que os demais participantes tém o mesmo fito, de que se entendesse a minha participação nesta Mostra como um fundo sinal de adesão aos valores que norteiam a Paz encarada em sentido lato – não só a paz desejável entre os povos mas também a paz, que pode levar á denominada Grande Paz dos Rosacruz, que é estimulada nos actos diários através da nossa sensibilidade para com o que nos rodeia, mesmo que tenham de se executar críticas fundamentadas ao que não está bem, ao que permanece mal.

    Se a crítica é uma das razões da nossa permanência, como dizia António Maria Lisboa, há ainda e paralelamente a nossa existência pela positiva – estimulando a capacidade, que em todo o ser humano reside, para aderir á arte, á beleza das coisas e da Natureza, ao fulcro de maior humanidade. E de tal dar testemunho convicto – como artistas, como homens ou como cidadãos do quotidiano, que é diverso e rico de manifestações solares.

    Se assim não se fizer, continuaremos a ter no dia-a-dia um simples sucedâneo, mais semelhante á inércia e ao imobilismo entorpecente possivelmente criminal, que a uma verdadeira PAZ.  

 
A pequena mostra de 8 quadros
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Nicolau Saião – Monforte do Alentejo (Portalegre) 1946. É poeta, publicista, actor-declamador e artista plástico.  

Participou em mostras de Arte Postal em países como Espanha, França, Itália, Polónia, Brasil, Canadá, Estados Unidos e Austrália, além de ter exposto individual e colectivamente em lugares como Lisboa, Paris, Porto, Badajoz, Cáceres, Estremoz, Figueira da Foz, Almada, Tiblissi, Sevilha, etc.   

Em 1992 a Associação Portuguesa de Escritores atribuiu o prémio Revelação/Poesia ao seu livro “Os objectos inquietantes”. Autor ainda de “Assembleia geral” (1990), “Passagem de nível”, teatro (1992), “Flauta de Pan” (1998), “Os olhares perdidos” (2001), “O desejo dança na poeira do tempo”, “Escrita e o seu contrário” (a sair).    

No Brasil foi editada em finais de 2006 uma antologia da sua obra poética e plástica (“Olhares perdidos”) organizada por Floriano Martins para a Ed. Escrituras. Pela mão de António Cabrita saiu em Moçambique (2008), “O armário de Midas”, estando para sair “Poemas dos quatro cantos”(antologia).       

Fez para a “Black Sun Editores” a primeira tradução mundial integral de “Os fungos de Yuggoth” de H.P.Lovecraft (2002), que anotou, prefaciou e ilustrou, o mesmo se dando com o livro do poeta brasileiro Renato Suttana “Bichos” (2005).  

Organizou, coordenou e prefaciou a antologia internacional “Poetas na surrealidade em Estremoz” (2007) e co-organizou/prefaciou ”Na Liberdade – poemas sobre o 25 de Abril”. 

Tem colaborado em  espaços culturais de vários países: “DiVersos” (Bruxelas/Porto), “Albatroz” (Paris), “Os arquivos de Renato Suttana”, “Agulha”, Cronópios, “Jornal de Poesia”, “António Miranda” (Brasil), Mele (Honolulu), “Bicicleta”, “Espacio/Espaço Escrito (Badajoz), “Bíblia”, “Saudade”, “Callipolle”, “La Lupe”(Argentina) “A cidade”, “Petrínea”, “Sílex”, “Colóquio Letras”, “Velocipédica Fundação”, “Jornal de Poetas e Trovadores”, “A Xanela” (Betanzos), “Revista 365”, “Laboratório de poéticas”(Brasil), “Revista Decires” (Argentina), “Botella del Náufrago”(Chile)...  

Prefaciou os livros “O pirata Zig-Zag” de Manuel de Almeida e Sousa, “Fora de portas” de Carlos Garcia de Castro, “Mansões abandonadas” de José do Carmo Francisco (Editorial Escrituras), “Estravagários” de Nuno Rebocho e “Chão de Papel” de Maria Estela Guedes (Apenas Livros Editora). 

Nos anos 90 orientou e dirigiu o suplemento literário “Miradouro”, saído no “Notícias de Elvas”. Co-coordenou “Fanal”, suplemento cultural publicado mensalmente no semanário alentejano ”O Distrito de Portalegre”, de Março de 2000 a Julho de 2003. 

Organizou, com Mário Cesariny e C. Martins, a exposição “O Fantástico e o Maravilhoso” (1984) e, com João Garção, a mostra de mail art “O futebol” (1995).  

Concebeu, realizou e apresentou o programa radiofónico “Mapa de Viagens”, na Rádio Portalegre (36 emissões) e está representado em antologias de poesia e pintura. O cantor espanhol Miguel Naharro incluiu-o no álbum “Canciones lusitanas”.  

Até se aposentar em 2005, foi durante 14 anos o responsável pelo Centro de Estudos José Régio, na dependência do município de Portalegre.  

É membro honorário da Confraria dos Vinhos de Felgueiras. Em 1992 o município da sua terra natal atribuiu-lhe o galardão de Cidadão Honorário e, em 2001, a cidade de Portalegre comemorou os seus 30 anos de actividade cívica e cultural outorgando-lhe a medalha de prata de Mérito Municipal.

Blog : Ablogando, em: http://ab-logando.blogspot.pt/

 
 
 

 

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano